Cicatrizes

A cicatrização é o processo de reparação de um tecido machucado para um novo. Consistindo em diversas ações bioquímicas na região da lesão que promovem a inflamação, proliferação e a maturação da lesão a fim de transformá-la em uma cicatriz.
As fases da cicatrização são: Inflamação: quando a região ainda está avermelhada e inflamada podendo apresentar sintomas, como, por exemplo, dor e sensação quente na pele; Proliferação: este é o início da formação da cicatriz, podendo apresentar a sensação endurecida na região; Maturação: quando a cicatrização está quase formada, há a disposição do colágeno de volta ao lugar e a aparição da cicatriz em sua forma “final”.
A cicatrização pode levar cerca de 1 ano para ser concluída. Até sua finalização, a cicatriz passa por algumas fases e mudanças podendo, ou não, desenvolver uma forma atípica, como os casos de atrofia e queloide.
A cicatrização pode ser prejudicada por infecções, doenças crônicas como a diabetes não controlada, ferida que ultrapasse as linhas de Langer e por alguns hábitos da própria paciente como o fumo e a exposição ao sol.
É possível acelerar a cicatrização desde que a paciente tenha bons hábitos a longo prazo, como uma alimentação saudável e o controle da diabetes no caso das pessoas que convivem com essa condição. Contudo, durante o processo, a paciente pode tomar cuidados como a aplicação de pomadas cicatrizantes e fitas de silicone, somente quando indicado ao médico.
Limpar as cicatrizes é bem simples, basta lavar com água e sabão neutro algumas vezes ao dia sendo, ou não, necessário a aplicação de pomadas ou fitas de silicone quando receitadas pelo médico.
Os tipos de cicatrizes são:
  • Normotrófica;
  • Hipertrófica;
  • Atrófica;
  • Queloide;
  • Hipocrômica;
  • Hipercrômica.
Enquanto a cicatriz hipertrófica tende a respeitar as bordas da ferida, não avançando e crescendo muito além dos limites, o queloide tende a ultrapassá-lo. Além disso, o queloide pode crescer de forma contínua e por um tempo indeterminado, enquanto as hipertróficas tendem a diminuir.
O queloide surge a partir de uma desordenação das sínteses de colágeno durante o processo de cicatrização, gerando, assim, a cicatriz alta que ultrapassa os limites da ferida e cresce de forma incontrolada.
O queloide nasce em pessoas que possuem a predisposição genética para seu crescimento, sendo mais comum em pessoas negras e amarelas e extremamente raro em pessoas albinas, levando, assim, a tese de que os queloides são mais comuns em populações com maior número de células melanocíticas. Por mais que o queloide surja em pessoas brancas, sua incidência é menor quando comparada a outros grupos étnicos.
Um dos sintomas do surgimento do queloide é a coceira na região durante a cicatrização, sendo, assim, indicado que não se coce a ferida. Já em sua maturação, o queloide pode doer quando em regiões de articulação e em locais que possuem maior pressão por causa de roupas, por exemplo.
O queloide pode ser removido através da cirurgia de exérese de cicatrizes e tratado de forma correta para evitar que surja um novo queloide no local, uma vez que, após a sua remoção, é certeza que aparecerá um novo.   A aparição do queloide, diferente da cicatriz hipertrófica, indica que aquela pessoa sempre terá cicatrizes queloidianas - ou ao menos terá uma tendência que suas cicatrizes sejam queloides -, sendo necessário, assim, o tratamento para impedir seu surgimento em todas as suas lesões.
O tratamento para queloide inclui a cirurgia de remoção da cicatriz queloidiana seguido por um destes métodos: fita de silicone, pomadas e aplicação de corticoide e a betaterapia.
A fita de silicone para queloide funciona como uma barreira física impedindo que a cicatriz se torne queloidiana, ela é bastante eficaz quando usada de forma correta.
As pomadas podem funcionar bem quando aplicadas como prevenção para a formação de cicatrizes queloidianas, contudo, não são as mais eficientes, já que é preciso tomar alguns cuidados com elas, como, por exemplo, evitar que entrem em contato com as roupas.
A aplicação de corticoides são bem eficazes quando ministradas por profissionais da área e como forma de prevenir que surjam os queloides. Essas injeções inibem a proliferação desenfreada das sínteses de colágeno. Contudo, esse método possui alguns cuidados, uma vez que um de seus efeitos colaterais é a atrofia do tecido onde foi injetado o corticoide.
Dentre os tratamentos para queloides, a betaterapia se destaca. Com cerca de 4-10 sessões, a betaterapia utiliza uma frequência radioativa que impede a proliferação desordenada do queloide. Ah! Na betaterapia, a frequência da radiação é bem baixa, logo, não há penetração dessa energia na pele.
A cicatriz hipertrófica se forma a partir da desordem das sínteses de colágeno durante o processo de cicatrização, de aparência grossa e saltada, mas respeitando os limites da borda.
Para eliminar as cicatrizes hipertróficas é necessário realizar a exérese do tecido afetado, seguido de um tratamento para garantir que não cresça uma nova cicatriz saltada no lugar.   Diferente do queloide, a cicatriz hipertrófica não aparece em todas as cicatrizes, ou seja, não é necessário fazer um tratamento rigoroso para impedir que uma nova nasça no lugar.
Os tratamentos para impedir o aparecimento de uma cicatriz hipertrófica consiste no uso de fitas de silicone, pomadas cicatrizantes e aplicação de corticoide na região após a retirada do tecido afetado. Contudo, esses tratamentos funcionam mais como uma prevenção, já que não é certeza que uma nova cicatriz alta nasça no lugar.
É possível camuflar cicatrizes com o uso da maquiagem e da micropigmentação, porém, esses métodos só tendem a funcionar com cicatrizes de tons diferentes da pele, mas com o mesmo nível da epiderme.   Já esses truques em cicatrizes altas, alargadas e fundas podem gerar o efeito inverso, criando sombras que podem destacar ainda mais a cicatriz.
Para tirar a cicatriz é necessário realizar a extração do tecido afetado e a criação de uma nova sutura na região, desta vez seguindo alguns tratamentos para que a cicatriz fique mais fininha e bonita como o uso de pomadas e fitas para impedir seu crescimento, por exemplo.
Na cirurgia de remoção de cicatrizes é usada a anestesia local, o cirurgião faz a remoção do tecido afetado com o auxílio de um bisturi e, então, é feita uma nova sutura - de preferência intradérmica - sendo seguida à risca as orientações médicas para garantir uma nova cicatriz mais bonita e fina.
A média do preço de uma cirurgia de remoção de cicatrizes é de R$7.506,03 a R$15.012,15 (Maio/22) quando feita em ambiente hospitalar - sendo este o indicado -, e R$4.311,01 a R$8.622,54 (Maio/22) quando realizada em um consultório, o que geralmente acontece em casos bem específicos.
A deiscência é a abertura dos pontos de sutura que, geralmente, é causada pelo descumprimento das orientações médicas como: exposição à fumaça, diabetes descontrolada e uso de força, além da obesidade.
O principal fator que causa a abertura dos pontos é o descumprimento das orientações médicas como fazer atividades físicas com uma carga maior que a indicada, exposição à fumaça, obesidade e diabetes descontrolada.
Caso ocorra a abertura dos pontos, é necessário visitar o cirurgião ou uma equipe de enfermagem experiente para refazer a sutura e, assim, seguir as recomendações médicas. Já se os pontos continuarem a abrir pode ser preciso realizar uma cicatrização em segunda intenção.

Instagram Plástica do sonho

Selo Google
Selo Instagram
Selo Elogieaki
Selo Facebook
Selo Top quality
 
MARQUE SUA CONSULTA POR WHATSAPP




Quer receber informações confiáveis sobre cirurgia plástica?

Faça como milhares de mulheres, cadastre-se agora e receba dicas de médicos especialistas!